Filme Limte eleito o melhor do cinema brasileiro em todos os tempos

Limite-Poster EUA

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) assumiu uma árdua tarefa ao reunir as opiniões de mais de cem críticos de cinema e jornalistas especializados para eleger os cem melhores filmes do cinema brasileiro. O filme Limite (1931), único longa-metragem dirigido por Mário Peixoto, ficou no topo da lista, sendo considerado o melhor de todos os filmes nacionais, superando outros filmes e diretores consagrados ou populares como Gláuber Rocha, Nelson Pereira dos Santos e Eduardo Coutinho. A relação servirá de base para o livro Os 100 Melhores Filmes Brasileiros, com planos para lançado em 2016, pela editora Letramento. O diretor baiano Gláuber Rocha teve cinco de seus filmes selecionado na lista, sendo o diretor mais indicado. Os filmes listados cobrem várias fases do cinema brasileiro e inclui grandes clássicos, sucessos, filmes premiados e aclamados pela crítica. Também foram considerados filmes recentes como O Som ao Redor (2012), O Lobo Atrás da Porta (2014), Que Horas Ela Volta? (2015) e Tatuagem (2013). 

Conheça a relação completa dos melhores filmes do cinema nacional da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

1. Limite (1931), de Mario Peixoto;

2. Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Gláuber Rocha;

3. Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos;

4. Cabra Marcado para Morrer (1984), de Eduardo Coutinho;

5. Terra em Transe (1967), de Gláuber Rocha;

6. O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla;

7. São Paulo S/A (1965), de Luís Sérgio Person;

8. Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles;

9. O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte;

10. Macunaíma (1969), de Joaquim Pedro de Andrade;

11. Central do Brasil (1998), de Walter Salles;

12. Pixote, a Lei do Mais Fraco (1981), de Hector Babenco;

13. Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado;

14. Eles Não Usam Black-Tie (1981), de Leon Hirszman;

15. O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho;

16. Lavoura Arcaica (2001), de Luiz Fernando Carvalho;

17. Jogo de Cena (2007), de Eduardo Coutinho;

18. Bye Bye, Brasil (1979), de Carlos Diegues;

19. Assalto ao Trem Pagador (1962), de Roberto Farias;

20. São Bernardo (1974), de Leon Hirszman;

21. Iracema, uma Transa Amazônica (1975), de Jorge Bodansky e Orlando Senna;

22. Noite Vazia (1964), de Walter Hugo Khouri;

23. Os Fuzis (1964), de Ruy Guerra;

24. Ganga Bruta (1933), de Humberto Mauro;

25. Bang Bang (1971), de Andrea Tonacci;

26. A Hora e a Vez de Augusto Matraga (1968), de Roberto Santos;

27. Rio, 40 Graus (1955), de Nelson Pereira dos Santos;

28. Edifício Master (2002), de Eduardo Coutinho;

29. Memórias do Cárcere (1984), de Nelson Pereira dos Santos;

30. Tropa de Elite (2007), de José Padilha;

31. O Padre e a Moça (1965), de Joaquim Pedro de Andrade;

32. Serras da Desordem (2006), de Andrea Tonacci;

33. Santiago (2007), de João Moreira Salles;

34. O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969), de Gláuber Rocha;

35. Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro (2010), de José Padilha;

36. O Invasor (2002), de Beto Brant;

37. Todas as Mulheres do Mundo (1967), de Domingos Oliveira;

38. Matou a Família e Foi ao Cinema (1969), de Julio Bressane;

39. Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), de Bruno Barreto;

40. Os Cafajestes (1962), de Ruy Guerra;

41. O Homem do Sputnik (1959), de Carlos Manga;

42. A Hora da Estrela (1985), de Suzana Amaral;

43. Sem Essa Aranha (1970), de Rogério Sganzerla;

44. SuperOutro (1989), de Edgard Navarro;

45. Filme Demência (1986), de Carlos Reichenbach;

46. À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964), de José Mojica Marins;

47. Terra Estrangeira (1996), de Walter Salles e Daniela Thomas;

48. A Mulher de Todos (1969), de Rogério Sganzerla;

49. Rio, Zona Norte (1957), de Nelson Pereira dos Santos;

50. Alma Corsária (1993), de Carlos Reichenbach;

51. A Margem (1967), de Ozualdo Candeias;

52. Toda Nudez Será Castigada (1973), de Arnaldo Jabor;

53. Madame Satã (2000), de Karim Ainouz;

54. A Falecida (1965), de Leon Hirzman;

55. O Despertar da Besta – Ritual dos Sádicos (1969), de José Mojica Marins;

56. Tudo Bem (1978), de Arnaldo Jabor;

57. A Idade da Terra (1980), de Gláuber Rocha;

58. Abril Despedaçado (2001), de Walter Salles;

59. O Grande Momento (1958), de Roberto Santos;

60. O Lobo Atrás da Porta (2014), de Fernando Coimbra;

61. O Beijo da Mulher-Aranha (1985), de Hector Babenco;

62. O Homem que Virou Suco (1980), de João Batista de Andrade;

63. O Auto da Compadecida (1999), de Guel Arraes;

64. O Cangaceiro (1953), de Lima Barreto;

65. A Lira do Delírio (1978), de Walter Lima Junior;

66. O Caso dos Irmãos Naves (1967), de Luís Sérgio Person;

67. Ônibus 174 (2002), de José Padilha;

68. O Anjo Nasceu (1969), de Julio Bressane;

69. Meu Nome é… Tonho (1969), de Ozualdo Candeias;

70. O Céu de Suely (2006), de Karim Ainouz;

71. Que Horas Ela Volta? (2015), de Anna Muylaert;

72. Bicho de Sete Cabeças (2001), de Laís Bondanzky;

73. Tatuagem (2013), de Hilton Lacerda;

74. Estômago (2010), de Marcos Jorge;

75. Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes;

76. Baile Perfumado (1997), de Paulo Caldas e Lírio Ferreira;

77. Pra Frente, Brasil (1982), de Roberto Farias;

78. Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1976), de Hector Babenco;

79. O Viajante (1999), de Paulo Cezar Saraceni;

80. Anjos do Arrabalde (1987), de Carlos Reichenbach;

81. Mar de Rosas (1977), de Ana Carolina;

82. O País de São Saruê (1971), de Vladimir Carvalho;

83. A Marvada Carne (1985), de André Klotzel;

84. Sargento Getúlio (1983), de Hermano Penna;

85. Inocência (1983), de Walter Lima Jr.;

86. Amarelo Manga (2002), de Cláudio Assis;

87. Os Saltimbancos Trapalhões (1981), de J.B. Tanko;

88. Di (1977), de Gláuber Rocha;

89. Os Inconfidentes (1972), de Joaquim Pedro de Andrade;

90. Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1966), de José Mojica Marins;

91. Cabaret Mineiro (1980), de Carlos Alberto Prates Correia;

92. Chuvas de Verão (1977), de Carlos Diegues;

93. Dois Córregos (1999), de Carlos Reichenbach;

94. Aruanda (1960), de Linduarte Noronha;

95. Carandiru (2003), de Hector Babenco;

96. Blá Blá Blá (1968), de Andrea Tonacci;

97. O Signo do Caos (2003), de Rogério Sganzerla;

98. O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias (2006), de Cao Hamburger;

99. Meteorango Kid, Herói Intergalactico (1969), de Andre Luis Oliveira;

100. Guerra Conjugal (1975), de Joaquim Pedro de Andrade (*);

101. Bar Esperança, o Último que Fecha (1983), de Hugo Carvana (*);

(*) Empatados na última colocação, com o mesmo número de pontos.

Anúncios

Publicado em 28 de novembro de 2015, em Tapete Vermelho e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Suki na Ongaku

Blog com letras de minhas músicas japonesas preferidas

A Taverna

Histórias fantásticas e Dicas de Escrita!

Don Silvio

Comentando

Priscila.T.Therese Official

"we are lifelong learners " Nós somos eternos aprendizes "

enjuadinha

Momentos da vida

Livros do Coração

Resenhas de livros, filmes, teatro e cultura em geral

felicisses.wordpress.com/

Compartilhando coisas legais!

Entre nos Mundos

Compartilhando as minhas visitas em outros mundos.

Just One More

Café, Livros, Estudos e Mundo

Uma borboleta leitora

Como borboletas, voamos pelas páginas dos livros...

Liberte-se.

Meu nome é Hellen, tenho 18 anos e aqui escrevo sobre coisas que me interessam.

Emilly Vass

Blog Literário

Literatura Doccar

Blog Literário

Auê Cultural

A casa de todos, de todas as tribos

Vendas Digitais

Curta, compartilhe e deixe seu e-mail

Contos Noturnos

Contos da amante noturna

%d blogueiros gostam disto: