Regina Casé e Camila Márdila ganham prêmio de atriz no Festival de Sundance

Second_Mother

O filme Que Horas Ela Volta? da diretora Anna Muylaert (Durval Discos, É Proibido Fumar, Chamada a Cobrar) foi escalado para a programação do Festival de Sundance, na seção World Cinema. Aplaudido de pé na exibição, no dia 25/01, venceu o prêmio especial de juri na categoria de Melhor Atriz, divido entre as atrizes Regina Casé e Camila Márdila.

Estrelada por Casé, a película narra a história de uma mãe, Val, que deixa a filha Jéssica no interior de Pernambuco para trabalhar como babá em São Paulo. Depois de 13 anos distantes, a filha precisa morar com a mãe em São Paulo para fazer vestibular de Arquitetura. Surge, então, o conflito pela atitude subserviente da mãe diante de seus empregadores. A filha, instruída com outros valores, não aceita a condição da mãe e tenta burlar as regras sociais estabelecidas. Um conflito de classes retratado num microcosmo familiar. Apesar da densidade dramática abordada no tema, da complexidade da trama e da representação de seus personagens, o filme é bastante elogiado por sua abordagem leve, com bom humor e sensibilidade. Ponto para a diretora e roteirista (Muylaert) e as atuações marcantes de suas atrizes principais.

Que Horas Ela Volta? ganhou o título de Second Mother (Segunda Mãe) para o mercado internacional e foi exibido antes no Festival de Locarno, no final de 2014. A primeira exibição chamou a atenção da revista norte americana, Variety, que elogiou o longa e destacou a atuação de Regina Casé. Da exibição de Sundance, o filme ganhou destaque do jornal Hollywood Reporter. O crítico Boyd van Hoeij escreveu, “Regina Casé (Eu Tu Eles) tem um desempenho impressionante como empregada doméstica cuja filha chega para questionar o status quo em que está inserida” e ainda arriscou um palpite. “Depois da sua passagem por Sundance e Berlim, esse filme deverá atrair o interesse de festivais e distribuidores inteligentes dos quatro cantos do mundo”.

Um dos produtores do Festival de Sundance, Trevor Groth, trouxe mais elogios. “É um filme caloroso, inteligente e bonito e, ao mesmo tempo, desafiador e provocativo”, elogiou Groth. “Ele lança um olhar novo sobre a temática familiar, que é clássica. É filmado com tanta vida que fui arrebatado por ele.” O crítico do Movie City News, Kim Voynar, também eleva a obra e o trabalho da diretora. “Muylaert não julga ou toma partido dos seus personagens, mesmo quando critica a construção social dentro da qual ela os coloca”.

Para a diretora,  “O roteiro do filme parte de uma situação ficcional para mostrar vários aspectos sociológicos e antropológicos de um momento recente da história do país, mas não só isso. Tínhamos dúvidas se os estrangeiros entenderiam essa situação, que é bem brasileira, mas entenderam, sim. Pessoas de várias nacionalidades se identificaram com o filme em Sundance, negras ou latinas. De alguma forma, sabem como se sentem cidadãos de segunda classe”. Em entrevista ao UOL, a diretora revelou sua surpresa com a repercussão do filme. “O pessoal riu mais do que eu esperava”. Recheado de expressões típicas da região nordeste como “visse” e “oxe”, o filme deu trabalho para a diretora fazer a legendagem. “Algumas partes são realmente intraduzíveis”, revelou Muylaert para a Folha de São Paulo.

Com o destaque, Regina Casé ressaltou a importância das babás e empregadas domésticas. “Todos nós, principalmente as mulheres, convivemos não só com babás, mas com empregadas domésticas desde pequenininhos. Essas pessoas acabaram sendo pessoas tão importantes na minha vida, pessoas com as quais aprendi tanto, que não sabia que tinha um repertório tão grande. Nem tive que fazer pesquisa. Era só abrir o coração, abrir o baú, que vinham os gestos, os termos”, afirmou a atriz em entrevista à Globo News.

O Festival de Sundance, realizado desde 1978 na cidade de Park City, em Utah, foi criado pelo ator e diretor Robert Redford para destacar o cinema independente e mundial. O filme brasileiro competiu com outras 12 obras estrangeiras. Depois de Sundance, o filme vai para o Festival de Berlim, onde compete na mostra Panorama, que tem início no próximo dia 02 de fevereiro.

Publicado em 1 de fevereiro de 2015, em Tapete Vermelho e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 5 Comentários.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

O Tudo

Para conhecer diversas curiosidades sobre tudo

Suki na Ongaku

Blog com letras de minhas músicas japonesas preferidas

Roberto Luiz Ribeiro

Poesia alternativa-marginal-independente e gratuita

A Taverna

Histórias fantásticas e Dicas de Escrita!

Don Silvio

Comentando

Codéx Secreto Blog

"we are lifelong learners " Nós somos eternos aprendizes "

enjuadinha

Momentos da vida

Livros do Coração

Resenhas de livros, filmes, teatro e cultura em geral

felicisses.wordpress.com/

UM POUCO SOBRE LIVROS, FILMES, SÉRIES E ASSUNTOS ALEATÓRIOS

Uma borboleta leitora

Como borboletas, voamos pelas páginas dos livros...

Liberte-se.

Meu nome é Hellen, tenho 18 anos e aqui escrevo sobre coisas que me interessam.

Emilly Vass

Blog Literário

Literatura Doccar

Blog Literário

Auê Cultural

A casa de todos, de todas as tribos

Contos Noturnos

Contos da amante noturna

%d blogueiros gostam disto: